Consultas



Prevenção do Tabagismo - O que é tabagismo?

O tabagismo é a dependência psicológica e física do tabaco. A substância está presente em produtos como cigarros, narguilés e charutos. O consumo regular de tabaco é responsável por mais de 50 doenças, entre elas pelo menos 12 tipos de câncer.

É considerado dependente do tabaco quem fuma regularmente, não consegue ficar sem a substância e, se fica, experimenta diversos sintomas relacionados a uma crise de abstinência.

Por isso, de acordo com a Classificação Internacional de Doenças (CID 10), o tabagismo é “uma desordem mental e de comportamento, decorrente da síndrome de abstinência à nicotina”. É encontrado sob o código F17.2.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, no mundo, 1 bilhão de pessoas fumam. O Brasil, por sua vez, conta com 24,6 milhões de fumantes – isso contabilizando apenas as pessoas com mais de 15 anos de idade.

O tabagismo é considerado a principal causa de morte evitável no mundo, matando 6 milhões de pessoas anualmente – o equivalente a uma morte a cada 6 segundos. Entre brasileiros, são 200 mil mortes por ano, em média, creditadas ao uso regular do cigarro.

Doenças causadas pelo cigarro:
O cigarro pode causar diversos problemas de saúde, como câncer de pulmão e do aparelho digestivo, dificuldades respiratórias, infarto, derrame, infecções respiratórias, impotência sexual no homem, entre outros. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que, no mundo, o cigarro é a maior causa de mortes que poderiam ser evitadas. Quase 5 milhões de pessoas perdem a vida por ano em razão do tabagismo, cerca de 10 mil por dia.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), um ano após largar o cigarro, cai pela metade o risco de morte por infarto do miocárdio (o músculo que forma o coração) e no período entre 5 e 10 anos após largar o vício, as chances de sofrer um infarto serão iguais às de pessoas que nunca colocaram um cigarro na boca.



Benefícios de parar de fumar:
O maior benefício de parar de fumar é a redução dos riscos de desenvolver uma série de doenças graves, que podem ter consequências fatais. Afinal, fumar de um a 10 cigarros por dia aumenta em 87% o risco de morrer antes dos 60 anos, de acordo com o Instituto do Câncer dos Estados Unidos (NCI, da sigla em inglês).

Segundo uma pesquisa do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, da sigla em inglês), órgão vinculado ao governo dos Estados Unidos, os benefícios de abandonar o tabaco já podem ser sentidos cerca de 20 minutos depois do último cigarro, de acordo com os intervalos de tempo descritos a seguir:

Se você largar de vez o cigarro neste momento, daqui a uns 20 minutos sua pressão sanguínea e pulsação voltam ao estado normal. E mais: a temperatura nas extremidades (pés e mãos) retornam aos níveis considerados ideais.

Bastam 24 horas depois do fim do vício para a chance de acidente cardíaco ligado ao fumo diminuir.

Duas horas após o último cigarro, não há mais nicotina no seu sangue.

Ao abandonar o fumo, com cerca de oito horas, o nível de oxigênio fica normal na sua corrente sanguínea. A quantidade de monóxido de carbono no sangue também alcança valores adequados.

Dois dias a partir do fim do tabagismo, seu olfato melhora, você percebe os cheiros de um jeito diferente; o paladar muda, a degustação dos alimentos é mais gostosa. Tudo isso acontece porque as terminações nervosas começam a crescer outra vez.

Em três semanas, a respiração de um ex-fumante fica mais fácil, assim como a circulação. Assim, uma simples caminhada já não é tão complicada e a função pulmonar melhora em até 30%.

De 1 a 9 meses sem tabaco, os sintomas comuns como rouquidão, tosse, entupimento dos seios da face, cansaço e falta de ar são atenuados. Os cílios epiteliais começam a crescer, potencializam a capacidade de expulsar secreções e, portanto, há redução do risco de infecções. Com isso, você ganha disposição até para atividades que necessitam de mais energia.

Passados de 5 a 10 anos após o último cigarro, o risco de sofrer infarto fica idêntico ao de quem nunca fumou.

Com 5 anos livre de cigarro, diminui em pelo menos 50% a taxa de mortalidade decorrente de câncer de pulmão de alguém que consumia um maço por dia. As células pré-cancerosas são trocadas por células saudáveis. Os riscos de câncer na bexiga, rim e pâncreas sofrem diminuição também.

Depois de 5 a 10 anos sem fumo, a probabilidade de AVC, o acidente vascular cerebral, fica no mesmo patamar de não fumantes. Já a possibilidade de câncer na boca, garganta ou esôfago diminui pela metade, se comparada a de um fumante.

Em 15 anos, o ex-fumante tem os mesmos riscos de uma pessoa não fumante de morrer por causas ligadas a problemas cardíacos.

Como você pode notar, o corpo reage de forma quase que instantânea. E os benefícios de parar de fumar são progressivos.

Quanto mais cedo você deixar o tabaco, melhores são suas chances de recuperar a saúde e aproveitar a vida por mais tempo, com qualidade.